Pandemia Interna I

É impossível expressar-me nestes dias.
Ainda ontem era Primavera e sorrias –
Penso eu.
A solidão abrasa-me
O horário atrasa-me
Para um encontro nunca marcado
Sentimento esse maltratado
Que é e será só meu.

Chove e irá chover mais
Caem migalhas
Reprimem-nos que nem animais –
Penso eu novamente.
Finas as mortalhas
Que envolvem esta Crise
E o Povo inspira
Expira
Esse fumo eloquente.

O Povo quer e anseia demais
Muitas são as situações desiguais! –
Ouço uma voz vinda de Oeste exclamar
Será o fundo do poço a chamar? –
Pois, eu cá não sei.
E tu?

Sara Parreira
20/03/2020